terça-feira, 21 de agosto de 2012

O Perfume - Patrick Süskind


Esta é a primeira resenha literária que escrevo. Quer dizer, já devo ter escrito alguma na escola por obrigação, mas fora isso não. Então perdoem-me se não estiver muito boa.

ATENÇÃO, contém alguns spoilers!

Tudo começa com o nascimento de Grenouille em um mercado de peixes. Ele foi largado pela mãe naquele ambiente podre e mal cheiroso. Grenouille nasceu sem cheiro nenhum e por esse motivo era desprezado por todos. Ninguém se afeiçoava a ele. Desde a mãe que o abandonou até as outras crianças com quem convivia e as amas que o criaram.

Embora não exalasse nenhum cheiro, Grenouille tinha o extraordinário dom de perceber, com muita sensibilidade, todos os cheiros do mundo. Os bons e ruins, ele não fazia diferença, se encantava com todos desde que fossem novos. Grenouille foi criado junto de outras crianças por uma ama incapaz de sentir nada por essas crianças que cria por obrigação e dinheiro. Quando aprendeu a falar teve muita dificuldade de aprender e entender palavras que não designassem algo que cheirasse. Confundia e não entendia conceitos de natureza ética e moral.

Além do fato de não ter cheiro, seu dom incomum e quase sobrenatural também causava desconforto em todos. Grenuoille conseguia perceber a presença de qualquer pessoa a quadras de distância, encontrar objetos escondidos e se localizar no escuro por causa da sensibilidade olfativa.

As crianças tentaram assassiná-lo muitas vezes enquanto era pequeno, mas com o tempo desistiram. Grenuoille cresceu sem ter recebido carinho ou simpatia de ninguém e também não desenvolveu nenhuma empatia ou afeição pelos seres humanos. Ao contrário, ele odiava todos, considerava-os estúpidos e fedorentos. Logo cedo ele foi abandonado pela ama e foi trabalhar em um curtume e tempos depois, quando descobriu o cheiro de perfume, conseguiu trabalhar com um perfumista decadente.

Usando o dom de Grenouille, o perfumista fez fortuna. Mas Grenouille não se importava, o que ele queria era aprender como captar o perfume das coisas e criar o melhor perfume do mundo.

Quando Grenoille, em sua viagem em busca de conhecimento sobre perfumes, descobriu que ele próprio não tinha nenhum cheiro, decidiu criar um perfume a partir do cheiro de moças virgens que despertavam o amor em todas as pessoas. Ele queria ser amado. E assim, em busca do perfume perfeito, Grenouille tornou-se um assassino.

O Perfume é um livro muito envolvente! Apesar de o personagem principal ser um assassino frio e detestável, não há como não se encantar com essa história e com a forma deliciosa como é contada. O livro é contado em terceira pessoa e gira em torno de Jean-Baptiste Grenouille. Outros personagens fazem importantes, mas rápidas aparições durante a história.

Patrick Süskind escreveu um livro maravilhoso. Brincando com as palavras e transportando o leitor para aquele mundo de cheiros, tornou a história desse homem monstruoso fascinante. A história é intensa e o personagem principal incrivelmente bem construído. A descrição da sua infância faz sentir pena de Grenouille e depois muito horror e repulsa pelo que ele se torna! Brilhante!

Avaliação: ★★★★★


Filme: Eu já tinha assistido ao filme alguns anos atrás e assisti novamente depois de ler o livro. É bom também. Atuações excelentes de Bem Whishaw, Dustin Hoffman e Allan Rickman e uma fotografia lindíssima. Achei que correram um pouco no final e acrescentaram uma pequena nuance na personalidade do Grenouille que não está no livro que eu não gostei. Mas o filme é muito bom mesmo assim.

Até mais.
Beijo.

Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. Olá!
    Cá estou eu a retribuir a visita, e a desejar boa sorte para o teu blogue!

    Se gostas de romance de época, não sei se reparaste que no cantinho esquerdo está um link: é do meu livro, que saiu em Abril deste ano cá em Portugal. Não se vende para o Brasil, mas há em ebook, na wook... A história é simples e romântica, começa em Lisboa e termina... no Brasil! :)

    ResponderExcluir
  2. Ah, que interessante, Carla. Vou tentar adquiri-lo. :)
    Muito obrigada pela visita e pelos votos de boa sorte.
    Beijo, Nadia

    ResponderExcluir
  3. Nadia,
    vim retribuir a visita.
    Já li O Perfume, não me lembro de ter ficado apaixonada e nunca resenhei no blog, após sua resenha quem sabe eu releia!
    Comece a ler agora Anna Karenina! É um livro lindo.
    Seja sempre bem vinda lá em casa
    Boa sorte com o novo blog, eu volto.
    abs
    Jussara

    ResponderExcluir
  4. Jussara, muito obrigada pela visita.
    Talvez eu tenha me apaixonado pelo livro por ser psicóloga. A questão de como a sociedade cria seus "monstros" me fascina.
    Lerei Anna Karenina logo e conto aqui o que achei.
    Volte sim. :)
    Beijo, Nadia

    ResponderExcluir
  5. Eu também li o perfume, confesso que gostei mais da primeira parte, do meio para o fim achei que o autor meio que perdeu a mão ou talvez sentir a afeição se transformar em repulsa não tenha me feito bem...

    Acho que o melhor no Perfume é a parte da contextualização histórica, achei massa a forma como o Patrick reconstruiu Paris usando as prerrogativas da história vista de baixo!!!

    ResponderExcluir
  6. É verdade, Pandora. A contextualização histórica é interessantíssima, mas o que me chamou atenção foi a construção psicológica do personagem. Foi o que me fez gostar tanto do livro.
    Obrigada pela visita. Já andei lendo alguns posts seus no seu blog. Até linkei nos meus favoritos.
    Nadia

    ResponderExcluir
  7. Olá!!
    Parabéns pelo seu espaço!!!
    Vi o filme e achei nonsense.Por isso o livro deve ser tb.. (rsrs)
    Você escreve bem, voltarei, já seguindo!!
    Vou comentar no post de dança, p/ ficar direitinho, pois li os dois agora!
    Abç

    ResponderExcluir
  8. Ah, nonsense talvez não seja o termo certo, mas o filme doidinho!!
    Mas não desgrudei da tela, com a sua dica vou ler... com aquela paisagem terror mesmo (hehehe)
    abç

    ResponderExcluir
  9. Obrigada pela visita e pelo elogio. Vou me esforçar pra escrever bons posts. Volte sempre.
    Nadia

    ResponderExcluir

Adoro comentários e respondo aqui mesmo, conforme eu vou lendo.
Gentileza gera gentileza.
=)