terça-feira, 28 de agosto de 2012

Mundo sem Fim - Ken Follett



Que livro incrível! Gostei tanto ou mais do que de Os Pilares da Terra que se passa 200 anos antes na mesma cidade e fala sobre a construção da catedral fictícia de Kingsbridge. A grande diferença, ao meu ver, entre os dois livros, é que no primeiro, a grande protagonista é a própria catedral. Todos os personagens estão direta ou indiretamente envolvidos em sua construção. Existem personagens que se destacam no início, mas eles vão perdendo importância e dando lugar a outros. Em Mundo sem Fim a catedral ainda está lá, ainda existem obras para os reparos, mas a história não gira mais em torno disso.

Os personagens são muito bem construídos e interessantes. Três dos protagonistas são descendentes dos principais personagens de Os Pilares da Terra. Isso é mencionado algumas vezes na história, mas não tem tanta importância assim. Os livros podem ser lidos independentes um do outro, embora seja interessante conhecer a história da construção da catedral e tudo o que acontece no priorado.

A história gira em torno das quatro crianças que testemunharam o assassinato na floresta: Caris, Gwenda, Ralph e Merthin. Caris e Gwenda são amigas, Ralph e Merthin, irmãos.

Caris cresce determinada, independente, com talento para os negócios e ao longo da história faz de tudo para realizar seus sonhos, luta pelo crescimento da cidade e ajuda os moradores de Kingsbridge como pode, inclusive sacrificando seu amor por Merthin algumas vezes. Merthin é apaixonado por Caris e luta por esse amor, com todas as forças, a vida inteira. Gwenda torna-se uma mulher forte que se sacrifica pelo homem que ama, para sair da miséria e depois pelos seus filhos. Como Caris, ela quer controlar o seu destino com as próprias mãos. Ralph, irmão de Merthin, é cruel, sem caráter e orgulhoso. Não se importa em sujar as mãos de sangue, até gosta disso, para conseguir o que quer.

Beijavam-se sempre que tinham oportunidade: na catedral, no mercado, quando se encontravam na rua e - o melhor de tudo - quando ele ia à casa de Caris e ficavam a sós. Merthin vivia para esses momentos. Pensava em beijá-la antes de dormir e voltava a pensar assim que acordava. p.60

Outro personagem importante é o monge Thomas Langley que antes de entrar para o mosteiro era cavaleiro do rei. Foi ele quem assassinou alguém na floresta quando os quatro protagonistas eram crianças. Também é importante destacar o monge Godwyn, primo de Caris, um homem muito ambicioso que quer subir na hierarquia da igreja a qualquer preço e o monge Philemon, irmão de Gwenda, inescrupuloso e oportunista.

A narração é em terceira pessoa e a escrita de Follett é fluida e clara. A trama é muito bem amarrada e o desfecho é emocionante e muito convincente. Eu adoro romances históricos, adoro aprender História através da literatura. É possível perceber que este livro foi escrito depois de muita pesquisa. Follett faz uma reconstrução impressionante da época. O cenário político, as conspirações, a guerra dos 100 anos, a forma como a igreja controlava tudo, a hipocrisia dentro e fora da igreja, o sistema de feudos, a forma como os crimes eram punidos, a medicina precária (guiada por superstições e crenças religiosas, sem nenhum fundamento científico) e a peste negra, tudo é descrito minuciosamente. Follett descreve também as vestimentas, os costumes, as casas, a disposição dos cômodos, a falta de higiene, as feiras e mercados. Fiquei arrepiada com o esfolamento em vida, punição para quem roubava o tesouro de uma igreja, descrito em detalhes. E a forma como a peste negra arrasou a Europa por gerações é assustadora!

A rua estava deserta. Merthin nunca a vira assim, nem mesmo durante a noite. O efeito era sinistro. Ele se perguntou quantas pessoas teriam morrido: um terço da população? A metade? Seus fantasmas ainda estariam à espreita nas vielas e cantos escuros, observando invejosos os sobreviventes afortunados? p.559

O livro é maravilhoso! Tem romance, ação, aventura, mistério e história. Recomendo muitíssimo e vou sentir muita falta do priorado de Kingsbridge.

Já está sendo filmada uma minissérie baseada no livro que será exibida pelo canal Starz e terá um elenco estelar! Mal posso esperar para assistir! Foi feita e exibida no mesmo canal uma minissérie baseada em Os Pilares da Terra. É boa, mas achei que mudaram demais a história.

A Fê do Na Trilha dos Livros também escreveu uma excelente resenha sobre o livro.

Avaliação: ★★★★★ 

Beijo.

Atualização em 04/09/2012: Saiu o trailer da série baseada no livro. Saiu em julho, na verdade, mas só vi agora. Fiquei arrepiada! Não perco por nada!

Atualização em 27/10/2012: Já baixei a minissérie toda. Vou demorar para assisti-la, mas assim que terminar escrevo um post sobre ela.







Comente com o Facebook:

13 comentários:

  1. Quando leio um livro grande ou algo tipo série ao terminar me sinto meio órfã, abandonada!!! Acho que vc tb pelo visto!!! Gostei do entusiasmo de sua resenha, deu para senti a paixão gerada pela leitura, isso sempre é bom!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Ná!

    Excelente resenha! Eu também prefiro Mundo sem Fim, E li ele primeiro. Me identifico muito com a Caris, tenho certeza que se vivesse naquela época, eu sofreria como ela. Estou louca para ver a série também.

    Quanto a O Vingador do Futuro, eu não tenho nada contra sci-fi não. Star Wars na veia! Mas é o tipo de estória mesmo, essa coisa futurista e pessimista. E Colin vale tudo! Lindo! Como eu disse, não posso dizer se é melhor ou pior que o original, porque não assisti, mas como passatempo é bom.

    Beijos!




    ResponderExcluir
  3. Ah! E obriga da pela menção na resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Pandora, é verdade, também me sinto órfã. E realmente o livro me emocionou e me deixou ligada o tempo todo.

    Fê, obrigada. :)
    Também me identifico com a Caris. Acho que cometeria os mesmos erros e acertos que ela.

    Beijos, Na

    ResponderExcluir
  5. Gostei da época histórica, sua resenha me deixou curiosa sobre o livro.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  6. Jussara, que bom gostou. Vale a pena ler sim. Eu adoro ler sobre a Idade Média.
    Beijos, Na

    ResponderExcluir
  7. Preciso ler esse livro prajá!! (hehe)
    Como vai? Amei a resenha e dizem que esse é o melhor mesmo...
    Você acha que se perde algo importante pulando os pilares... Acho que sim né?
    Terminei "1984". Apesar de ser um clássico que estava devendo, (achei excelente), porém, me vi muito nas aulas da faculdade de História sobre, revoluções e sistema de governo...
    Abç e boas leituras!!

    ResponderExcluir
  8. Olá, não se perde nada que comprometa a compreensão da trama, mas é muito, muito bom também! Eu gostei muitíssimo!
    Também achei 1984 excelente. Li este ano também. É um livro ainda muito atual e nossa realidade não está muito distante do que é mostrado nele.
    Obrigada pela visita.
    Nadia

    ResponderExcluir
  9. Rá, agora que já sei que tu responde aqui, volto para ver a resposta!!!

    Ah, tb respondi teu coments lá na Caixa, e fiquei louca quando vc disse que gosta de manteiga de amendoim, me diz uma coisa, aquilo é doce ou salgado??? Um amigo me disse que é salgado isso acabou com minha infância, pq eu sempre pensei que era doce!!!

    Mas me diz é salgado mesmo???

    ResponderExcluir
  10. Bastante interessante teu blog, acompanho.

    ResponderExcluir
  11. Cheguei aqui por conta da minha amiga Fe, do Na Trilha dos Livros... Meu blog nao fala exatamente sobre literatura, mas eu to sempre lendo 3 ou 4 livros de uma vez (livro de fisica tambem eh considerado literatura? Se for entao eu to sempre lendo 6 ou 7! haha)

    Mas eu nao pude deixar de ver sua foto com o gatinho - tenho 3! um que ficou no brasil com a minha mae e mais dois daqui de Narnia Molha do Sul...

    parabens pelo blog!

    beijos

    ResponderExcluir
  12. Grato pelo comentário, Navirj. Mas acontece o seguinte: o fumante deve saber respeitar o espaço de quem não fuma, óbvio. Assim como quem não fuma deve respeitar o espaço de quem fuma. Por que essa perseguição aos fumantes? Por que o fim dos espaços reservados aos fumantes? Os veículos contaminamo ar muito mais que os cigarros, no entanto, ninguém os proíbe de circular. As pessoas prejudicam-se diariamente com venenos que nem sabem, mas nin guém diz nada. Essa perseguição aos fumantes é porque tem-se que culpar alguém por tudo de mal na saúde, e elegeu-se ele, para não ter que se entrar em combate com as demais indústrias. Além disso, vejo nessa perseguição um perigo, uma ameaça aos direitos individuais. Hoje é: não fume, faça o que eu digo, eu sei o que é bom para você. E quando acharem que sabem quais outras coisas são boas para nós? Essa é a minha maior preocupação. Seja sempre bem-vinda lá. Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Foi o que eu disse rs. Que sou a favor da liberdade... ;)

    ResponderExcluir

Adoro comentários e respondo aqui mesmo, conforme eu vou lendo.
Gentileza gera gentileza.
=)