sábado, 15 de setembro de 2012

[Cinema] Prometheus (2012) e Redescobrindo a série Alien


Prometheus - EUA , 2012 - Ficção Científica / Horror 



Direção: Ridley Scott 



Roteiro: Jon Spaihts e Damon Lindelof 



Elenco: Noomi Rapace, Michael Fassbender, Charlize Theron, Idris Elba, Guy Pearce, Logan Marshall-Green, Sean Harris, Rafe Spall, Kate Dickie, Benedict Wong, Emun Elliott, Patrick Wilson


Prometheus é um filme de ficção científica, suspense e horror que fala sobre a origem da vida e sobre fé X ciência, entre outras coisas que já, já vou explorar. É também prequel da série Alien, se passa no mesmo universo da série e mostra a origem do alien. Prometheus e Alien (o primeiro da série) foram dirigidos por Ridley Scott.




Assisti Alien (1979) quando ainda era criança (desde pequena sou louca por ficção científica e terror) e o quarto filme da série, Alien a Ressurreição (1997) aos 19 ou 20 anos. Depois de assistir a Prometheus resolvi que deveria assistir à série Alien novamente e descobri que não tinha entendido nada nas primeiras vezes. Só entendi que eram filmes de ação, ficção científica e terror bem feitos e com muitos sustos.

O que eu ainda não entendia quando criança é que, nas entrelinhas, Alien fala de maternidade, de como é para uma mulher viver em um mundo de homens e ter que provar o tempo todo que não está no mundo apenas para enfeitar, agradar os homens sexualmente e ser mãe. A Tenente Ripley (Segourney Weaver) sofre um bocado para ter sua autoridade aceita do início ao fim da saga. Sua sua opinião só é valorizada depois de muito esforço. Alien aborda também o terror que as mulheres sentem de serem estupradas. O alien, fálico, ataca a boca das vítimas e depois as "engravida". E não é só nos ataques do alien que isso aparece - em uma cena o androide Ash (Ian Holm) tenta "estuprar" a boca de Ripley com uma revista enrolada. Os realizadores usaram esse recurso muito bem para transmitir o medo do estupro aos espectadores. Muito mais terrível e assustador do que monstros de mentirinha.

Em Alien³ (1992) essa questão não está somente nas entrelinhas, já que a Tenente Ripley vai parar em uma prisão masculina onde estão presos estupradores, pedófilos e assassinos de mulheres. Podem imaginar a reação desses homens diante da presença dessa única mulher, que ainda por cima é uma oficial no ambiente que é deles? Nesse filme as questões de gênero são tratadas de forma mais escancarada. Os filmes são muito bons, mas a saga poderia ser uma trilogia. O quarto filme é desnecessário porque o final de Alien³ é perfeito! Ripley é a heroína mais fodona do cinema! Deu até vontade de raspar o cabelo rsrs.



Voltando a Prometheus, o filme também fala sobre o feminino, a maternidade, o poder das mulheres sobre o próprio corpo e sua sexualidade. As duas personagens femininas passam por situações que mostram como é viver e ter uma posição de destaque num mundo machista.

A cena que, ao meu ver, melhor representa isso, é aquela na qual Elizabeth Shaw (Noomi Rapace) diz à máquina de procedimentos cirúrgicos que precisa de uma cesariana e esta responde que foi projetada apenas para pacientes de sexo masculino, deixando bem claro que aquele é um lugar de homens.

Eu, particularmente, gostei mais da personagem Meredith Vickers (Charlize Theron), cética, egoísta, segura de si, quer provar sua capacidade de liderança, mas é desprezada pelo pai (Guy Pierce) que ama mais seu "filho" androide (o lindo e talentoso Michael Fassbender) que ela. Mas a heroína é Elizabeth Shaw (Noomi Rapace, da trilogia sueca Millennium), uma arqueóloga que sofre por ser estéril e que acredita que a vida foi criada por seres superiores e alienígenas, os engenheiros, como ela chama.

O filme é uma viagem em busca de respostas a respeito desses engenheiros e da origem da vida e deixa muitas questões em aberto (certamente preparando para uma sequência). Em um ótimo diálogo entre que o androide (Fassbender) e o personagem de Logan Marshall-Green , o robô pergunta por que os homens o criaram e ele responde: "porque podemos". Então o robô pergunta o que ele sentirá se os engenheiros tiverem a mesma resposta sobre a criação da vida.



Uma superprodução com excelentes atores, direção impecável de Ridley Scott, efeitos especiais incríveis e um roteiro bom, apesar de alguns furos graves (incluindo algumas cenas muito toscas). A trilha sonora me deu a impressão de já ter ouvido antes em vários filmes de ficção científica. Se não foi uma homenagem, foi muita cara de pau mesmo rs. Mas é muito bonita também. É um bom filme, mas a trilogia Alien é muito melhor.



Depois de assistir à série novamente, fiquei pensando em quantos filmes e livros eu assisti e li sem estar preparada ainda para entender e fiquei feliz por ter assistido. Farei uma lista de tudo que preciso assistir e ler novamente.

Até mais.
Beijo.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Caraca eu morro de medo de ficção cientifica e quando tem terror no meio eu até corro porque costumo ficar mastigando as ideias por dias... Mas nunca pensei que houvesse tantas coisas a serem pensadas através dessas produções, especialmente a Alien, sempre achei que era apenas terror para divertir.

    E sim, junto a você fiquei pensando quanta coisa vi na vida sem ter maturidade para compreender. Tem produções que são cheias de camadas, quanto mais você amadurece mais você consegue tirar camadas e compreender mais e melhor. Acho que vu entrar no seu time Nadia e fazer listinha!

    ResponderExcluir
  2. Ficção científica, boa ficção científica pelo menos, sempre esconde questões filosóficas e políticas. Eu adoro! :)
    E bora fazer listinha mesmo! Eu já tenho vários itens na lista.
    Beijo.

    ResponderExcluir

Adoro comentários e respondo aqui mesmo, conforme eu vou lendo.
Gentileza gera gentileza.
=)