segunda-feira, 7 de julho de 2014

[Cinema] Dicas de filmes 005



Transcendence, 2014



Will Caster (Johnny Depp), um cientista que trabalha com inteligência artificial, sofre um atentado de um grupo terrorista que quer acabar com a inteligência artificial. Ele descobre que foi contaminado com radiação e tem pouquíssimo tempo de vida. Com a ajuda de sua mulher  e parceira de pesquisa Evelyn (Rebecca Hall), ele faz um upload das sua mente (ondas elétricas emitidas pelos seus pensamentos). Assim que morre, sua esposa começa a se comunicar com ele. Em pouco tempo, Will Caster se conecta com todas as redes de bancos, bolsa, e tudo o mais que está disponível na internet e manipula tudo a seu favor. Evelyn tem que fugir dos terroristas, então ela vai para um cidade pequena e lá constrói, com a ajuda do marido uma grande empresa e um super computador. Em pouco tempo a inteligência de Will se expande e ele desenvolve a nanotecnologia capaz de curar e recriar partes de corpo humanas e de conectar as pessoas à sua rede. A fome de poder e tecnologia de Will não tem limites e Evelyn se vê em um impasse. Enquanto isso, os terroristas procuram uma maneira de barrar a tecnologia de Will. 
Eu gostei do filme, mas esperava mais. O filme é lento, melancólico, com uma fotografia escura que dá um clima perturbador ao filme. Achei o roteiro cheio de furos e forçado, mas a ideia interessante. Não é um grande filme, mas valeu a pena assistir mesmo assim. A direção é de Wally Pfister e o roteiro é de Jack Pavlen.

Avaliação: ★★★

Noé (Noah), 2014



Este filme o diretor Darren Aronofsky, reconta a história bíblica de Noé. O filme é uma adaptação da graphic novel de Aronofsky, Ari Handel Niko Henrichon. Eu gostei muito do filme principalmente por causa da produção impecável, fotografia lindíssima, efeitos especiais belíssimos, figurino, cenários, tudo perfeito e também pelos atores que fizeram um grande trabalho em cena. Mas o roteiro falha em alguns pontos. Eu já não sou grande fã dessa história, e o roteiro mudou algumas coisas que a tornaram ainda mais inverossímil e falha. Como, por exemplo, o fato de só um dos filhos de Noé ter uma mulher. Na história original, os três filhos têm esposas o que justifica como a terra foi repovoada depois do dilúvio. Além disso o Noé do filme é ainda mais fanático, cruel e capaz de qualquer coisa, repito, qualquer coisa, para cumprir a sua missão.
(atualização) Como bem colocado pela blogueira Aleska no blog A Menina das Idéias, essa mudança pode ter sido feita para se questionar o fanatismo religioso que existe até os dias de hoje que faz com que pessoas usem a religião para justificar atos injustificáveis. Mas na minha opinião, as mudanças tornaram a história sem sentido e com furos.
Tive ódio de Noé no filme. Mas tive muita vontade de dar colo para o Ham (Logan Lerman). Mesmo assim eu adorei. Russel Crowe como Noé, Jennifer Connelly como Naameh, esposa de Noé, Emma Watson como Ila, nora, Logan Lerman como ham e Anthony Hopkins (melhor ator do mundo) como Mathuselah arrasaram! Se não assistiu ainda, assista!

Avaliação: ★★★ 3,5

Rio 2, 2014




 Nessa continuação de Rio, Tulio (Rodrigo Santoro) e Linda (Leslie Mann) vão à Amazônia pesquisar a existência de aves. Então Blu (Jesse Eisenberg) e Jewel (Anne Hathaway) resolvem fazer uma viagem em família para lá também. Chegando na Amazônia, Jewel reencontra sua família vivendo num refúgio paradisíaco onde as aves se escondem dos humanos. Tudo parece perfeito, mas um perigo ameaça esse paraíso perdido. Filme muito lindo! Gostei ainda mais do que o primeiro. O diretor Carlos Saldanha fez um trabalho incrível! Recomendo muitíssimo.

Avaliação: ★★★★

Sob a pele (Under the skin), 2013



Nesta ficção científica perturbadora, Scarlett Johansson é uma alienígena vestida de pele humana que seduz homens para atraí-los para a morte para, o que parece, se alimentar deles. Porém ao conviver com humanos dentro de uma pele humana, a alienígena começa a adquirir sentimentos pelos humanos como compaixão, medo, afeto. Filme estranho, escuro, perturbador com uma trilha sonora aflitiva muito bem apropriada. Gostei muito, mas acho que é o tipo de filme que não vai agradar muita gente. Para quem gosta de ficção científica, vale a pena. A direção é de Jonathan Glazer e quem assina o roteiro é Walter Campbell. O filme é uma adaptação do romance "Sob a Pele" de Michel Faber. Recomendo!

Avaliação: ★★★★ 

O Homem do Futuro, 2011




Como eu não tinha assistido a esse filme ainda? Dei muitas gargalhadas. O filme é uma comédia nacional deliciosa com uma trama de ficção científica que conta a história de Zero (Wagner Moura), um professor e pesquisador de física fracassado e obcecado em descobrir uma nova foma de energia. Além disso ele não esquece a humilhação que sofreu 20 anos antes, no início da faculdade, quando a garota que ele amava, Helena (Alinne Moraes) o ridicularizou na frente de todos durante uma festa a fantasia. Desobedecendo ordens da sua chefe Sandra (Maria Luísa Mendonça), Zero usa a sua invenção numa experiência para provar ao mundo que é o grande gênio e sem querer volta no tempo, 20 anos antes, no dia da festa. Agora Zero vai tentar mudar o passado, mas o resultado não é o que ele esperava. Comédia excelente de Cláudio Torres que me fez rir do início ao fim. Super recomendo para quem quer dar boas risadas.

Avaliação: ★★★★  

Terra Tranquila (The Quiet Earth), 1985



Neste filme de 1985, Zac (Bruno Lawrence) acorda um dia e descobre que está sozinho no mundo. Todas as pessoas desapareceram. No início ele se diverte com a possibilidade de fazer o que quiser: andar pelado na rua, usar roupas de mulher, saquear lojas, não ter nenhuma obrigação, nem rotina, mas então começa a se sentir sozinho. Pouco tempo depois encontra mais duas pessoas que por algum motivo desconhecido, também não desapareceram. O filme, apesar de ter poucos recursos visuais e tecnológicos, é muito bom porque aborda assuntos interessantes que envolvem o fato de estar sozinho ou quase sozinho no mundo. Gostei de assistir. A direção é de Geoffrey Murphy e o roteiro de Bill Baer, Bruno Lawrence e Sam Pillsbury baseado no romance homônimo de Craig Harrison.

Avaliação: ★★★★

Rebecca: a mulher inesquecível (Rebecca), 1940



Nesse clássico de suspense do incrível Alfred Ritchcock, uma moça humilde se envolve e se casa com o milionário e viúvo Maxim de Winter (Laurence Olivier) que perdeu a primeira esposa em circunstâncias misteriosas. Ao se mudar para a mansão do marido a nova esposa, que não tem nome próprio no filme e é chamada somente de sra. de Winter, se depara com uma casa cheia de "fantasmas" de Rebecca, a primeira sra. de Winter. Todos os empregados falam dela como uma mulher lindíssima e adorável, tudo na casa tem as iniciais dela e o marido recusa-se a falar sobre o que aconteceu. Especialmente a estranha governanta demonstra ter uma adoração fora do normal pela antiga patroa. A nova sra. de Winter se consome cada vez mais de ciúme e insegurança enquanto as circunstância da morte da primeira sra de Winter se torna um mistério a ser desvendado. A direção de Hitchcock, como não podia deixar de ser, é genial! A cada cena o espectador se vê envolvido em um suspense de tirar o fôlego. Sou suspeita para falar porque sou fã de carteirinha do diretor, mas recomendo como recomendo toda a obra dele.  Assistam. É imperdível!

Avaliação: ★★★★★ 

P.S. O filme é uma adaptação do romance homônimo de Daphne du Maurier e dizem que é um plágio do livro "A Sucessora" da autora brasileira Carolina Nabuco. Eu pretendo ler os dois livros para dar a minha opinião.

É isso. Esses foram os filmes que eu vi no cinema e em casa nas últimas semanas. Vocês assistiram a algum? O que acharam?

Até mais. 
Beijos e boas leituras. :**


Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Ainda bem Nádia que você postou. Já estava ficando entediada com a blogosfera. Eu queria ver transcendence, mas pelo q vc falou acho q vou esperar chegar no telecine. Rio 2 tb não vi ainda, mas adorei o Homem do futuro. Vi num cinema com uma amiga que ficou indignada com o final feliz rss mas eu adorei. O filme da Scarlet não me encheu os olhos, mas esse terra tranquila parece muito interessante. Eu ia adorar ver o cara se vestindo de mulher kkkkkk. O Noé eu meio que comentei sobre ele no blog, mas o que posso dizer é que tenho quase certeza que a história foi modificada para discutir problemas atuais. Tb tive vontade de colocar o Ham no colo e niná-lo kkkkk ador o ator, apesar de ser mais um jovenzinho de hollyoowd. beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aleska.
      Também amei o final de O Homem do Futuro! :) Eu achei que as mudanças em Noé tornaram a história ainda mais sem sentido rsrs. Mas vou procurar seu comentário no seu blog. ;)
      Beijos.

      Excluir
    2. Acabei de ler. Concordo que o filme quis questionar o fanatismo religioso. Mas o fez de uma maneira que tornou a história tosca (mais ainda). Como eles vão repopular a terra só com duas bebês meninas? Ficou muito nonsense. Não gostei. E odiei tanto Noé. Mesmo entendendo que essa era a intenção, isso me desagradou.
      Beijos.

      Excluir
    3. Acrescentei um parágrafo falando sobre seu post, Alê. ;)
      Beijo.

      Excluir
  2. Eu tenho um pé atrás com filmes assim tipo "Tanscendente" #ProntoConfessei Eu ainda sou do tipo que vai ao cinema para curtir uma lesera e tem dificuldade de assistir filmes cults... Transcendente tem cara de culteza.

    Eu detestei Noé, simples assim!!! Filme terrível.... terrível... Detestei, mas recentemente descobrir que o Aronofsky para a sua história não usou só a versão do Noé contida no livro de Gêneses, ele usou também o livro de Enoque da "Biblia Ortodoxa Etilpe" então eu quase perdoei ele, porém foi um quase bem quase, porque achei o filme enfadonho, chato de doer.

    Sabe que eu não peguei empatia com Rio, acho que tem Rio de Janeiro demais, eu sou nordestina demais, não combina. Mas, eu amo a Amazonia, então... quem sabe não dou uma chance.

    Sob a pele vai para a minha lista de "Transcedente" #Medo

    Eu ameiiiiiiiiiiiii "O homem do futuro", quando vi tive a mesma reação que você, como demorei tanto para ver esse filme???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh bom saber essa informação, Pandora. Ontem mesmo eu estava conversando sobre isso. Queria saber qual os textos que Aronofsky usou para escrever a história. :) Mas não achei o filme nada enfadonho. Eu curti bastante. Achei que teve ação e drama na medida e esteticamente muito interessante. Mas o que seria do azul se todos gostassem do amarelo, né? :)
      Ahh que pena que você tem essa opinião a respeito de Rio e Nordeste. Eu acho que combinam até demais. Eu nasci no Rio, mas sou filha de baiana e adoro essa combinação. E a minha cidade é mesmo Maravilhosa! Boa para morar, visitar ou só admirar. <3

      Beijos.

      Excluir
    2. Se a Aleska vê esse meu comentário kkkk eu nem sei... Eu tenho que aprender a moderar meu bairrismo, vivo dizendo que "bairrismo demais é ignorância" para ver se entra na minha cabeça!!! kkk É claro que você tem mais razão do que eu Nadia, a combinação é boa, o Rio deve ser lindo!!! Eu é que tenho que me consertar kkkk

      Excluir
    3. Cara só vou pegar no teu pé por causa de Rio. Como assim tem Rio de Janeiro demais? kkkkkk fica de boa menina também tive ódio do Noé no cinema, mas acho que o fim compensou. É um filme dificil, mas confesso q gostei. Agora quanto a filmes cults, bem eu acho q gosto um pouquinho. Aquele filme "little miss sunshine" foi ótimo!

      Excluir

Adoro comentários e respondo aqui mesmo, conforme eu vou lendo.
Gentileza gera gentileza.
=)